Postagem em destaque

PROPOSTAS E MODELOS PARA ENEM

TODAS AS PROPOSTAS E MODELOS RELACIONADOS NESTA POSTAGEM SÃO DO AUTOR DO BLOG E NÃO PODEM SER COMERCIALIZADOS EM MATERIAL DIDÁTICO VIRTUAL ...

31 de ago de 2009

OBRAS CLÁSSICAS

Aqueles que escolhem adentrar pelas vias acadêmicas, seja nos cursos de graduação ou, mais adiante, nos de pós-graduação lato ou strictu sensu, são, em algum momento, obrigados a se defrontar com textos clássicos. A priori, alguns mais céticos pensam que essas obras "velhas" servem apenas para conferir certo tipo de status à disciplina estudada nos cursos superiores; outros, mais entusiastas, buscam saber ao máximo a respeito dos antigos autores e de sua contribuição para o pensamento humano. Certamente, estes últimos não hão de se desapontar, porque, para receber o predicativo de clássico, uma obra deve propor algo de novo e consistente, não somente para a geração na qual ela tomou forma, como às próximas que dela se servirão para buscar modelos e sínteses.

Quando comentamos "mas que cara mais maquiavélico" ou brincamos "ser ou não ser, eis a questão", podemos até desconhecer, contudo tais comentários encerram conceitos desenvolvidos em obras clássicas dos chamados "mestres" do passado. "Eles estão mortos!" - dirão uns; "são de outros tempos" - afirmarão outros. Os mais lúcidos, entretanto, redarguirão sem vacilar: "Eles vivem! O que pode ser mais atual do que Maquiavel ao se observar o poder?! O que pode ser mais atual do que o conflito por que passa Macbeth, de Shakespeare, ao se defrontar com a grande oportunidade de ser aclamado 'rei'?!"

Há também um valor equivocado atribuído a tais obras. Para alguns, as histórias e tratados filosóficos do passado têm a importância de servirem meramente como forma de demonstrar erudição. Isso é o mesmo que se vangloriar de carregar uma chave de ouro de um baú cujos tesouros são incalculáveis, sendo que a chave possui, na verdade, valor ínfimo se comparada a qualquer outro objeto contido na arca. Outros desprezam-nas e seguem suas vidas sem saber que muitos de seus conflitos e indagações ilustram passagens fantásticas da vida de guerreiros, reis e outras personagens imaginárias.

Utilizando de metáfora, algo tão ao gosto das fábulas: enquanto existem os que têm o tesouro e o ignoram, outros, tendo-o ao alcance de si, contentam-se só em mostrá-lo, iludidos com seu brilho.

Encontram-se hoje tantas obras à mão, por que ignorá-las?

Nenhum comentário:

QUIZ: POR QUE OU POR QUÊ?

Havendo dificuldade em visualizar o quiz, clique no link abaixo: