Postagem em destaque

PROPOSTAS E MODELOS - ENEM 2016

TODAS AS PROPOSTAS E MODELOS RELACIONADOS NESTA POSTAGEM SÃO DO AUTOR DO BLOG E NÃO PODEM SER COMERCIALIZADOS EM MATERIAL DIDÁTICO VIRTUAL ...

17 de abr de 2012

Proposta 8

    PROPOSTA DE REDAÇÃO

Com base na leitura dos seguintes textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa sobre o tema PRECONCEITO POLITICAMENTE CORRETO, apresentando experiência ou proposta de ação social, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

- Desenvolva seu texto em prosa, atribuindo-lhe um título.
- Sua dissertação deverá ter no mínimo 15 e no máximo 30 linhas.
- Não utilize os exemplos específicos dos textos de apoio.


Patrulha ideológica ou patrulhamento ideológico é uma organização informal de pessoas unidas por laços ideológicos ou religiosos que tem o objetivo de impor seus ideais a outro grupo de pessoas, munindo-se de discursos, protestos e reivindicações. Essa atividade se caracteriza por uma vigilia constante do espaço e do público-alvo.
O patrulhamento pode se aproveitar de relações de autoridade para ser feito, como em uma sala de aula, na relação professor-aluno (...) O objetivo do patrulhamento ideológico é sobretudo subverter o público para que este acredite, se convença e siga as normas e critérios dos patrulhadores.
É por vezes criticado quando seu uso se dá em meio educacional, em centros universitários e demais locais onde é consolidada formação intelectual de pessoas. É tolerado com certa parcimônia, respeitando-se as leis vigentes locais, mas considerado eticamente falho quando feito sob certas circunstâncias (...)

http://pt.wikipedia.org/wiki/Patrulha_ideol%C3%B3gica

MPF quer tirar de circulação o dicionário 'Houaiss'

Publicação conteria expressões 'pejorativas e preconceituosas' contra ciganos e não atendeu recomendações de alterar texto

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com ação absurda, sob todos os aspectos, na Justiça Federal em Uberlândia (MG): o órgão pretende tirar de circulação o dicionário Houaiss, um dos mais conceituados do mercado. Segundo o MPF, a publicação contém expressões "pejorativas e preconceituosas", pratica racismo contra ciganos e não atendeu a recomendações de alterar o texto, como fizeram outras duas editoras com seus dicionários.

Trata-se de uma ação, no mínimo, desastrada. Há séculos dicionaristas respeitados de todo o mundo se esforçam em reunir nesses livros o maior número de acepções possível das palavras. Assim, o Houaiss explica que o termo cigano é "relativo ao ou próprio do povo cigano; zíngaro", mas também define "aquele que faz barganha, que é apegado ao dinheiro; agiota, sovina" – esta acepção é, como bem destaca o próprio Houaiss, pejorativa. A razão de apresentar as duas (entre outras) versões é registrar o uso da palavra em um determinado momento histórico e explicar-lhe o significado. É para isso que servem os dicionários: eles não fazem apologia ao preconceito, apenas o registram.

Ao guiar-se pela proposta do MPF, os dicionários prestariam um duplo desserviço. Em primeiro lugar, deixariam de cumprir seu principal papel: registrar o uso da língua em um dado momento. O segundo desserviço é fruto do primeiro. Se os livros deixassem de registrar que, pejorativamente, o adjetivo judeu é empregado como sinônimo de "pessoa usurária, avarenta", não ensinariam ao leitor que, em determinadas situações, isso (infelizmente) pode acontecer. Não se defende aqui, de maneira alguma, o emprego pejorativo do termo. Mas não é apagando o registro de um dicionário que se muda a realidade. Trata-se de mais um exemplo de ação desastrada em que a ideologia atropela a ciência, o serviço ao leitor e o bom-senso em troca de nada.

http://veja.abril.com.br/noticia/educacao/mpf-quer-tirar-de-circulacao-o-dicionario-houaiss


Vamos chegar à época em que as palavras “negro” e “preto” vão ser completamente proibidas, teremos de inventar novas designações para a cor, porque a simples menção dessas duas palavras pode dar dor de cabeça ao incauto que as proferir.
Em minha experiência pessoal, acho que qualquer um que fique gritando “preconceito” a torto e direito normalmente é preconceituoso também. (...)
Assisti na TV a uma situação completamente ridícula e engraçada. Em uma luta de MMA, um negro e um branco se enfrentavam, os dois de calção preto e branco. O narrador e o comentarista passaram uns dois minutos tentando dizer “o de calção preto e branco com mais preto do que branco é o fulano de país tal...”. Os caras já vacinados pela patrulha ideológica não quiseram simplesmente dizer: “o lutador negro é fulano, e o lutador branco é sicrano”.

Adaptado de http://www.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=3438663


EXPECTATIVA DE REDAÇÃO

Espera-se que o aluno apresente a percepção de que existem vários tipos de preconceito, sendo, conforme as circunstâncias, uns mais tolerados do que outros. Em vista disso, como gradualmente a sociedade, pressionada por diversos movimentos sociais, tem sofrido transformações no sentido de aceitar as diferenças, é comum surgir uma certa confusão entre o que pode ou não se considerar uma conduta correta socialmente.
No Brasil, atualmente, algumas piadas, expressões e mesmo palavras passam a ser rotuladas como politicamente incorretas, às vezes de modo arbitrário, à revelia dos grupos marginalizados. Esse fato tem demonstrado que muitos entre aqueles que partem em defesa desses mesmos grupos nem sempre possuem real entendimento sobre o que defendem e o que combatem. Desse modo, esse segmento que se mobiliza em torno da proteção do outro, em vez de contribuir para a amenização e até extinção do tipo de preconceito combatido, produzem situações que acabam por incentivá-lo. Casos como esse, portanto, demonstram que a ideia de se evitar a manifestação do preconceito, sem que se discutam suas causas, acentua ainda mais essa problemática.

Uma vez discutido o tema, a conclusão deve apresentar uma experiência ou proposta de ação social que coloque em discussão o preconceito e suas causas, seja em um caso específico, que pode ter sido exposto no desenvolvimento da dissertação, ou de forma geral.




Consulte também os tópicos:



Proposta formulada pelo autor do blog.

Confira um modelo de redação que atendeu à proposta:



Confira esse outro modelo e observe que a proposta não foi completamente atendida.





Nenhum comentário:

QUIZ: POR QUE OU POR QUÊ?

Havendo dificuldade em visualizar o quiz, clique no link abaixo: