Postagem em destaque

PROPOSTAS E MODELOS - ENEM 2016

TODAS AS PROPOSTAS E MODELOS RELACIONADOS NESTA POSTAGEM SÃO DO AUTOR DO BLOG E NÃO PODEM SER COMERCIALIZADOS EM MATERIAL DIDÁTICO VIRTUAL ...

25 de out de 2016

PROPOSTA ESTILO ENEM – TEMA: DISCURSO DE ÓDIO



PROPOSTA ESTILO ENEM – TEMA: DISCURSO DE ÓDIO                                 



Leia o texto de apoio:



            Era para ser uma simples resenha da comédia Uma Ladra Sem Limites, mas o crítico americano Rex Reed pegou pesado. "Hipopótamo fêmea", "do tamanho de um trator" e "assustadoramente nojenta" foram algumas das expressões que ele usou para a atriz Melissa McCarthy. Mesmo criticado, não voltou atrás. Tudo, segundo o crítico, foi uma tentativa de alertar o público e a própria Melissa sobre os perigos da obesidade: "Cada comediante obeso que já fez piada sobre a doença agora está morto de acidente vascular cerebral, doenças do coração, pressão alta e diabetes". A reação da atriz ao apoio enviesado foi caridosa: "Sinto pena de quem está nadando em tanto ódio". Polêmico e grosseiro, o episódio não deixa de ser um reflexo de como os obesos passaram a ser vistos. Antes tratados com uma simpatia bonachona, hoje são encarados de maneira negativa, e denunciam um nova forma de preconceito: a gordofobia.
         (…)
Na TV, gordos são ridicularizados, sofrendo para fazer dieta e se exercitar em frente às câmeras. Fala-se de uma "epidemia de obesidade", e gordos recebem olhares de desaprovação, como se fossem emissários da peste negra. Companhias aéreas e marcas de roupas penalizam seus clientes mais pesados. No Brasil, o sobrepeso virou critério de seleção em concursos públicos e se transformou em nota de corte no mercado de trabalho - em uma entrevista, o publicitário e apresentador de TV Roberto Justus decretou que não se deve contratar quem está acima do peso, pois isso seria um sinal inequívoco de desequilíbrio e falta de inteligência. "Muitas campanhas contra a obesidade acabam envergonhando a quem deveriam ajudar, além de incitarem o ódio à gordura", diz Deborah. (...)

         No Brasil, o SUS gasta R$ 488 milhões anuais com tratamentos contra a obesidade. Segundo dados do Ministério da Saúde divulgados em agosto, 51% dos brasileiros estão acima do peso (sendo 17% obesos). Em 2011, eram 48%. Campanhas por uma alimentação saudável e uma redução de peso são uma necessidade. O problema é que às vezes elas favorecem o aumento do preconceito. "Muitas pessoas desenvolvem um sentimento de rejeição pela obesidade mais pelos aspectos estéticos e comportamentais do que pelo risco médico", diz Veloso.


Vigilantes dos pesados


        
Às vezes, o escracho esbarra no mau gosto. O comediante Jerry Seinfeld aproveitou um debate sobre uma reforma nutricional nas cantinas das escolas americanas para disparar: "Sou contra a proibição de refrigerantes. Sou a favor da continuação do processo de seleção darwinística da espécie humana por meio do consumo de bebidas com açúcar".

         Grandes companhias aéreas, como a americana United Airlines, já cobram dos gordinhos uma poltrona extra para deixá-los viajar. A Southwest, empresa de voos de baixo custo dos Estados Unidos, não só adota essa política como o diretor Kevin Smith, de O Balconista e Procura-se Amy, foi obrigado a descer de uma de suas aeronaves e seguir em outro avião por seu peso ter sido considerado uma ameaça ao voo. Já a oceânica Samoa Air passou a cobrar os passageiros por peso: cada quilo custa entre US$ 1 e US$ 4,16.

         Mas quem caiu na boca do povo foi a marca Abercrombie & Fitch. Em 2007, o executivo-chefe da empresa, Mike Jeffries, disse que garotos "não legais" e "mulheres gordas" não deviam usar a marca. (...)

         Ser gordo também pode ser um problema para quem quer entrar no serviço público. Em 2011, cinco professoras aprovadas em concurso não puderam entrar para o funcionalismo paulista devido à obesidade. (...)



PROPOSTA



        Afirma Ana Lúcia Valente:"...em todo lugar e a todo momento, atitudes de preconceito e de discriminação acontecem. Mas as pessoas fingem não ver e preferem não discutir esse fato. As conversas sobre o assunto são evitadas. No Brasil, é comum ouvir-se: Aqui não temos esse tipo de problema!”

       

        PROPOSTA



         Com base na leitura dos textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa sobre o tema “Discurso de ódio, problemas e propostas”. Apresente experiência ou proposta de ação, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

            Seu texto deve possuir entre 7 e 30 linhas. Cópias dos textos motivadores serão desconsideradas.

Nenhum comentário:

QUIZ: POR QUE OU POR QUÊ?

Havendo dificuldade em visualizar o quiz, clique no link abaixo: